São Barnabé, Apostolo

 

Memória

– Magnanimidade no apostolado.

– Saber compreender para poder ajudar.

– Alegria e espírito positivo no apostolado com os nossos amigos.

Natural de Chipre, Barnabé é contado entre os primeiros fiéis de Jerusalém. Foi quem apresentou São Paulo aos Apóstolos, e depois acompanhou-o na sua primeira viagem apostólica. Participou do Concílio de Jerusalém e foi uma figura de grande importância na Igreja de Antioquia, o primeiro núcleo cristão numeroso fora de Jerusalém. Era parente de Marcos, sobre o qual exerceu uma influência decisiva. Tendo retornado à sua pátria, evangelizou-a e morreu mártir por volta do ano 63. O seu nome figura na Oração Eucarística I.

I. BARNABÉ SIGNIFICA filho da consolação, e foi o sobrenome dado pelos Apóstolos a José, levita e cipriota de nascimento1, pelo seu espírito conciliador e pela sua simpatia, segundo comenta São João Crisóstomo2.

Depois do martírio de Estêvão e da perseguição que se seguiu, alguns cristãos chegaram até Antioquia, e lá propagaram a fé cristã. Quando os Apóstolos tiveram notícia em Jerusalém das maravilhas que o Espírito Santo realizava nessa região, resolveram enviar para lá Barnabé3. Profundamente empenhado na expansão do Reino, Barnabé quis contar desde o primeiro momento com instrumentos idôneos para empreender aquele imenso trabalho que lhe era confiado, e dirigiu-se a Tarso a fim de convidar Paulo a acompanhá-lo. Tendo-o encontrado, levou-o a Antioquia. Passaram juntos um ano inteiro nesta Igreja e instruíram uma grande multidão, narram os Atos dos Apóstolos4. Barnabé soube, pois, descobrir no recém-convertido aquelas qualidades que o levariam a transformar-se, pela graça, no Apóstolo das gentes. Pouco tempo antes, apresentara Paulo aos Apóstolos de Jerusalém, num momento em que muitos cristãos continuavam a ter receio do seu antigo perseguidor5.

Em companhia de São Paulo, Barnabé realizou a primeira viagem missionária, que tinha por objetivo a ilha de Chipre6. Ia com eles o seu primo Marcos, que, no entanto, desistiu a meio do caminho e regressou a Jerusalém. Quando São Paulo projetou a segunda grande viagem missionária, Barnabé quis novamente que Marcos os acompanhasse, mas Paulo achou que não devia ser admitido um homem que se tinha separado deles na Panfília, e não os tinha acompanhado naquela tarefa7. Produziu-se uma forte dissensão entre ambos, de sorte que se separaram um do outro…8

Barnabé não abandonou o seu primo Marcos, talvez então muito jovem, depois daquela defecção em que as forças lhe falharam. Soube reanimá-lo e fortalecê-lo, e fazer dele um grande evangelizador e um eficacíssimo colaborador de São Pedro e do próprio Paulo, com quem Barnabé continuou unido9. Mais tarde, Paulo demonstrará a maior estima por Marcos10, “como se visse refletida nele a simpatia e as gratas recordações de Barnabé, o amigo da juventude”11.

São Barnabé convida-nos hoje a ter um coração grande na tarefa apostólica, um coração que nos leve a não desanimar facilmente perante os defeitos e retrocessos dos amigos ou parentes que queremos levar ao Senhor, a não deixá-los de lado quando fraquejam ou talvez não correspondam às nossas atenções e à nossa oração. Essa possível falta de correspondência, às vezes aparente, deve levar-nos a exceder-nos no trato com eles, a ter um sorriso mais aberto, a multiplicar o recurso aos meios sobrenaturais.

Fonte: livro “Falar com Deus”, de Francisco Fernández Carvajal.

Leave your comment

Please enter your name.
Please enter comment.

Santo do dia
domsegterquaquisexsáb
     12
24252627282930
       
    123
25262728   
       
     12
24252627282930
31      
   1234
2627282930  
       
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031