São Pascoal Baylon 

17 de Maio

São Pascoal Baylon 

São Pascoal Bailão nasceu em 1540, na Espanha, no dia da Ressurreição do Senhor, daí o nome de Pascoal. Nascido numa família pobre, tomava conta do rebanho de um rico criador de ovelhas. Gostava da solidão e passava horas inteiras em oração.

Apaixonado pela Eucaristia, dizem que, quando apascentava o rebanho perto do convento, caía em êxtase ao som da campainha, na hora da elevação da Hóstia Sagrada. Vivia sobriamente e chegou a recusar uma herança de um rico proprietário que não tinha filhos e queria adotá-lo, com receio que os bens materiais se tornassem um obstáculo à sua caminhada espiritual.

Sua fama de santidade espalhou-se e lhe abriu as portas do convento. Aos 24 anos de idade ele entrou para a Ordem dos Franciscanos Descalços. Amável, discreto, atencioso, era sempre designado para exercer nos conventos as funções mais modestas, como as de porteiro e cozinheiro. Responsável pela distribuição de esmolas e refeições aos pobres que batiam à porta do convento, com eles rezava antes e após as refeições.

Quando, de certa feita, numa viagem longa e perigosa foi enviado à França para tratar de assuntos ligados à sua Ordem na Espanha, fez toda a viagem descalço e vestido com o hábito franciscano. Durante essa viagem enfrentou muitas dificuldades, inclusive ameaças dos calvinistas que o vaiaram, o perseguiram e o apedrejaram. Apesar de só falar a língua espanhola e não ter grandes conhecimentos teológicos, sustentava de maneira simples, mas profunda, discussões sobre a Eucaristia.

A Eucaristia foi verdadeiramente a grande paixão de sua vida. Dela recebia força e vigor e diante dela passava horas esquecidas. Por causa desse amor e dos tratados que escreveu, é considerado o Teólogo da Eucaristia. Morreu aos 52 anos de idade e 26 anos depois já era proclamado bem aventurado. Em 1690 foi declarado santo. São Pascoal Bailão é o padroeiro dos Congressos Eucarísticos Internacionais.

No mundo de hoje, mestre em essencializar o acidental e acidentalizar o essencial, São Pascoal Bailão nos convida a não banalizar a Eucaristia, a não fazer do ato de comungar um simples gesto de rotina. Eucaristia é coisa séria, Eucaristia é compromisso com Deus que passa pelo compromisso com o irmão. Por isso não nos é lícito receber o corpo de Deus, se não estivermos dispostos a receber o corpo do irmão e a assumir, por ele e com ele, suas crises e cruzes, suas lutas, tristezas, alegrias e esperança.

Fonte: Zélia Vianna. Santidade Ontem e Hoje (2005). Salvador: Paróquia de São Pedro

Leave your comment

Please enter your name.
Please enter comment.

Santo do dia
domsegterquaquisexsáb
   1234
19202122232425
262728293031 
       
    123
25262728   
       
     12
24252627282930
31      
   1234
2627282930  
       
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031